2020 - Focada nas garantias de segurança e bem-estar que estende através das tecnologias que desenvolve, a Zoono Ibéria, empresa especialista em desinfeção, acaba de firmar uma parceria com a SGS Portugal, líder em inspeção, verificação, testes e certificação, para associar aos processos das empresas que têm o protocolo “First Defence Zoono” ativo.

Permitindo uma caracterização e ajuste das práticas de higienização de acordo com o nível de risco de contágio pelas superfícies e objetos, o protocolo “First Defence Zoono” - disponível nas versões Gold e Silver - é uma ferramenta de suporte para clientes que adquiriram a tecnologia Microbe Shield Z-71, e que os conduz na implementação das melhores práticas para mitigação de riscos. Como a certificação da SGS, a Zoono Ibéria passa a garantir um controlo aprimorado dos procedimentos de desinfeção e a fornecer uma garantia adicional de segurança.

De acordo com Rui Dinis, Business Manager da SGS, “vimos com muito bons olhos a perspetiva de estabelecer e aprofundar esta parceria com a Zoono Ibéria, dando resposta à preferência das muitas empresas, de todos os setores de atividade, que têm optado por otimizar processos e operar de forma mais sustentável no âmbito da higiene, limpeza e desinfeção”.

Para a Zoono Ibéria, a certificação independente da SGS representa mais um passo dado no processo de validação da eficácia do Microbe Shield Z-71, aplicado aos mais diversos contextos. “O controlo rigoroso dos níveis de desinfeção técnica que fazemos é muito importante, tanto para as empresas com quem trabalhamos, que recebem uma garantia adicional sobre a qualidade da proteção que escolheram, como para nós, que queremos continuar a melhorar os sistemas e protocolos que pomos à disposição do mercado”, adianta Miguel Alves, CEO da Zoono Ibéria.

O Microbe Shield Z-71 alia a ação química, enquanto líquido, à ação mecânica, após secagem. Aplicado sobre as superfícies, o desinfetante forma uma película protetora e gera uma ação mecânica que elimina os micro-organismos, bactérias, fungos, vírus e agentes patogénicos entre outros, com uma eficácia, de até 30 dias, comprovada laboratorialmente.